domingo, 22 de julho de 2018
Início » Política » Nove de diretoria anterior tem bens indisponíveis

Nove de diretoria anterior tem bens indisponíveis

O pedido de auditoria externa, bem como a denúncia para abertura de inquérito policial, partiu da atual diretoria do hospital.

Gravatar
16/12/2017 às 10h30

"A Irmandade de Misericórdia do Jahu, mantenedora da Santa de Jahu, vem a público esclarecer sobre a notícia divulgada pela imprensa e redes sociais nos dias 14 e 15 do corrente mês, sob o título “Determinada a indisponibilidade de bens de nove pessoas por desvio de recursos em Jahu”.

Primeiramente cumpre informar que a grande maioria das pessoas envolvidas no referido caso pertencem as cidades de Barra Bonita/SP e Bauru/SP.

Ocorre que, de setembro de 2.009 a abril de 2.010, o Sr. Alcides Bernardi Junior, assumiu uma das tesourarias da Irmandade, para um mandato “tampão”, quando em 12/04/2.010 foi eleito Provedor, passando a acompanhar diretamente todos os setores financeiros e administrativos da entidade, sendo que, em 13/12/2.010, a então diretora executiva, teve seu contrato de trabalho rescindido.

Outrossim, importante ressaltar que ao assumir a diretoria em 2.010, foi constatado, que o hospital estava sucateado, com quase 500 (quinhentos) documentos a serem baixados ou negociados junto aos Cartórios.

Desta forma, no início de 2.011, a diretoria em exercício, contratou uma empresa para que fosse realizada uma Auditoria Externa, sendo feita uma varredura nos documentos contábeis, fiscais, compras e prestações de serviços do período compreendido entre 2.005 a 2.009.

Como se não bastasse, a diretoria, em busca de melhorar o atendimento médico/hospitalar oferecido à população, deu início ao processo de regularização dos títulos devidos, “limpando” o nome da Irmandade, permitindo que a mesma estivesse liberada para assinar Convênios com os Governos Federal e Estadual, consolidando, hoje, cerca de R$ 15.000.000,00 (quinze milhões) em verbas recebidas, valor este que contribuiu para a modernização das áreas clínicas, cirúrgicas e patrimonial da Irmandade.

Por fim, esta diretoria, através de seu Provedor, Sr. Alcides Bernardi Júnior, vem através da presente, informar ao público em geral, que as notícias que estão sendo veiculadas através da imprensa e redes sociais são referentes aos fatos acontecidos no passado (2.005/2.009), ressaltando-se, ainda, que o pedido de Auditoria Externa, bem como a denúncia para abertura de inquérito policial, partiu desta diretoria, a qual é gerida por pessoa idôneas, capacitadas e, acima de tudo, honestas, diz o esclarecimento da  diretoria.

Os bens bloqueados são da ex-diretora administrativa Jovani Maria Gil de Andrade e Silva (R$ 342 mil), Roosevelt Andolphato Tiago (R$ 149 mil), Deivis Manoel Gonçalves (R$ 94,5 mil), Samuel Fortunato (R$ 94,5 mil), Dione Maria Othero Biazetti (R$ 16,4 mil), Gerson Correa (R$ 16,4 mil), Altineu Mamede Boldo (R$ 5 mil), Célia Regina dos Santos (R$ 5 mil) e Rosimeire Torchetto de Oliveira (R$ 61,8 mil).

Os réus passaram pelo hospital como funcionários ou prestadores de serviço.

Mais sobre: Santa Casa de Jaú

Um comentário(Deixe o seu)

  • Theo Resende

    Se roubaram muito, forças suprema do Olimpo correrão com suas canetas magicas para livra-los da cadeia, mas se roubaram pão, margarina, um galo velho ou meia duzia de stent, A CANA É BRABA MEU FILHO.

Deixar Comentário

Digite as letras e/ou números que você vê na imagem abaixo:

Leia | Política de Comentários.

Versão Móvel | Contato | Anuncie

Primeiro site de notícias de Jaú.
Jornalista responsável: José Henrique Teixeira MTb 20.061
Jaunews © 1999 - 2018. Todos os direitos reservados