domingo, 17 de dezembro de 2017
Início » Política » Sindicatos pedem revogação

Sindicatos pedem revogação

Um abaixo-assinado nos sindicatos vai colher subscrições da população, demonstrando a insatisfação do povo com as medidas adotadas. Caso não sejam atendidos pelo prefeito, os sindicalistas falam em recorrer ao Ministério Público.

Gravatar
29/10/2013 às 08h09
Reunião dos sindicalistas no Sindicato da Construção e Mobiliário

Reunião dos sindicalistas no Sindicato da Construção e Mobiliário

Sindicalistas de Jaú estiveram reunidos na tarde de ontem no Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário para definir a forma de ação em audiência que pretendem agendar com o prefeito Rafael Agostini (PT). Nela, os dirigentes sindicais vão cobrar do prefeito que revogue recentes medidas aprovadas pela  Câmara como a correção de 40% na Plana Genérica de Valores, que é base de cálculo para o IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) e a permissão para a concessão do Saemja (Serviço de Água e Esgoto do Município de Jaú). Também vão cobrar do prefeito a definição da área de 30 mil m², a ser doada por loteadores, para a construção da escola do Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial).

Ao mesmo tempo em que vão levar esses pedidos ao prefeito, os sindicalistas disseram que vão passar um abaixo-assinado em suas entidades para colher subscrições da população, demonstrando a insatisfação do povo com as medidas adotadas.  Caso não sejam atendidos pelo prefeito, os sindicalistas falam em recorrer ao Ministério Público.

Eliana Contarini, presidente do Sindicato dos Funcionários Municipais de Jaú, sugeriu que seja pedida a anulação da sessão que votou a concessão do Saemja. “Cabe anulação porque os vereadores foram comunicados da sessão extraordinária com  menos de 24 horas de antecedência”, disse.

“Estamos dando mais um voto de confiança na administração. Esperamos que ele nos atenda. Também estamos lançando uma frente para coletar assinaturas porque sabemos que a população está contrária a essas medidas. Esperamos que essa reunião aconteça ainda esta semana”, disse Contarini. Em caso de a administração se manter irredutível, a presidente falou em recorrer ao Judiciário.

O conselheiro do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo  (Apeoesp), Renato Pavan,  ratificou que a proposta é ir ao Ministério Público caso as medidas não sejam revistas. “A população ficou indignada e uma parcela acompanha as sessões semanais da Câmara, manifestando o seu descontentamento. Agora, nós dos sindicatos vamos partir para uma ação no sentido de que o Executivo reveja as suas decisões”, disse.

Pavan disse que fez parte da pauta de discussão na reunião de ontem exatamente o encaminhamento ao Ministério Público. “O aumento do IPTU foi absurdo. No momento em que a inflação gira em torno de 6% ao ano, um aumento de 40% foge ao bom sendo. A nossa reivindicação é que o prefeito reconsidere esse posicionamento”, completou.

Compareceram ao encontro de ontem representantes dos sindicatos de trabalhores da Construção e Mobiliário, dos Metalúrgicos, dos Comerciários, da Saúde, dos Funcionários Municipais, da Fiação e Tecelagem, dos Professores  e dos Motoristas. Eles aguardam agora que seja agendada o quanto antes a audiência com o prefeito Agostini, de preferência ainda para esta semana. Em cada sindicato estarão sendo colhidas assinaturas pedindo a revisão das medidas.

Um comentário(Deixe o seu)

  • Luiz Carlos Direnzi

    Sindicatos X Impostos X Saemja.

    Nao se pode ser somente contra, tem de apresentar possiveis solucoes para os assuntos. Alias, se todos estao preocupados com nosso Municipio, vamos comprar a briga para a fuculdade de Medicina tambem. Isso signifca geracao de empregos e mais progresso.

Deixar Comentário

Digite as letras e/ou números que você vê na imagem abaixo:

Leia | Política de Comentários.

Versão Móvel | Contato | Anuncie

Primeiro site de notícias de Jaú.
Jornalista responsável: José Henrique Teixeira MTb 20.061
Jaunews © 1999 - 2017. Todos os direitos reservados