domingo, 24 de setembro de 2017
Início » Política » Jogo político na palavra livre fez sessão acabar cedo

Jogo político na palavra livre fez sessão acabar cedo

Houve uma hesitação dos vereadores, um esperando que o outro pedisse primeiro a palavra. Nesses segundos de indecisão, o presidente declarou encerrada a sessão e ninguém falou.

Gravatar
28/05/2013 às 07h55
Quando a copeira foi servir o cafezinho a sessão já havia terminado

Quando a copeira foi servir o cafezinho a sessão já havia terminado

Na mais rápida sessão do atual mandato, que durou  50 minutos, a Câmara de Jaú aprovou dois projetos de vereadores na tarde desta segunda-feira (27).  O único a falar na tribuna foi o representante do Conselho Tutelar de Jaú, Marivaldo Araújo de Souza, que estava inscrito para falar na Tribuna Cidadã (leia nesta página). Nenhum vereador usou da palavra, daí a sessão ter terminado tão cedo, às 16h55.

Depois do expediente, quando são lídos os requerimentos, indicações e moções apresentados pelos vereadores, o presidente Roberto Carlos Vanucci (PT) sugeriu – e todos concordaram- que o uso da palavra não seria dentro do expediente, mas na parte final, na palavra livre em explicações pessoais. Veio, então, a ordem do dia e os dois projetos foram aprovados por unanimidade.

Um dos projetos, dos vereadores Carlos Lampião Magon (PV), Wagner Brasil de Barros (DEM) e Lucas Flores (PT) institui em Jaú o evento Virada Evangélica. O outro, também com aprovação unânime, foi o do vereador Paulo Gambarini (PSDB) que exige lacre inviolável em embalagens de alimentos que sejam entregue sejam entregue sem domicilio.

Votados os dois projetos, o presidente Vanucci anunciou que a palavra era livre para as explicações pessoais. Houve  uma hesitação dos vereadores, um esperando que o outro pedisse primeiro a palavra. Nesses segundos de indecisão, o presidente declarou encerrada a sessão e ninguém falou.

“Eles ficam esperando o outro falar para replicar em cima da fala do que o antecedeu. Na medida em que ninguém se manifestou pedindo a palavra tenho autoridade para declarar encerrada a sessão. Foi o que aconteceu. Se não aprendem pelo amor, aprendem pela dor. Eu quero colocar disciplinar, ordem na casa, e eles tem que aprender a se posicionar dessa forma”, explicou o presidente Vanucci.

Sempre houve controvérsia na palavra livre por conta do embate entre oposição e situação. O vereador oposicionista Tito Coló Neto (PSDB) já declarou em outras oportunidades que se ele não for à tribuna ninguém fala, “porque toda a bancada da situação fica esperando o que eu vou falar, ai recebem ligações do gabinete do Executivo em seus celulares e vão rebater em seguida”. Por isso, em outras sessões já houve ameaça de encerramento porque  ninguém se manifestava em pedir a palavra antes que Coló o fizesse.

Mesmo assim, o presidente Vanucci não vê necessidade de estabelecer uma norma para uso da tribuna como, por exemplo, a chamada por ordem alfabética. “Pode continuar da forma que está mas o que eles tem que entender é que precisam se manifestar para fazer uso da palavra. Houve um silêncio o que me deu condições de declarar encerrada a sessão. Está dentro da normalidade, não foi uma afronta a ninguém. A culpa foi deles (vereadores) que ficam fazendo esse jogo político, que precisa acabar”, completa Vanucci.

A exemplo do que já declarou o prefeito Rafael Agostini em relação a Prefeitura, Vanucci confirmou que o expediente será normal na Câmara na próxima sexta-feira após o feriado do Corpus Christi na quinta-feira.

 

Mais sobre: política, Câmara de Jaú

5 Comentários(Deixe o seu)

  • Juca

    INFELIZMENTE OS VEREADORES NA SUA MAIORIA NÃO ESTAO REPRESENTANDO OS SEUS ELEITORES QUE OS ELEGERAM,SERÁ QUE NAS PRÓXIMAS ELEIÇOES O ELEITOR VAI APRENDER A VOTAR OU FICAR NESSA MERDA QUE ESTA,

  • Afonso

    A proposta de equiparar os salários dos vereadores aos dos professores da rede municipal não vingou - mas parece que adotaram a hora/aula de 50 minutos... - faltou dizer que os professores cumprem, no mínimo, carga horária de 30 horas semanais, e muitas vezes dobram cargo/função, trabalhando em dois períodos, portanto, 60 horas semanais (quando não mais), e os salários...

  • marcos cunha

    cheguei a uma conclusão só mudou os mosquitos a mer@#$%$%¨%$$ continua a mesma...e jau que não vai pra frente nunca (enquanto isso em pederneiras estão se unindo pra eleger uma deputada aqui é só piquinha...)

  • ANTONIO

    PASSEM LA NA PRAÇA DA MATRIZ E OLHEM Q VERGONHA AQUELA AGUA Q SERIA UM CHAFARIZ,ESTÁ VERDE,UM LIXO,E AI RAFAEL FALA MUITOOOOOOOOOOOOOOOO??? O Q VC VAI FAZER LA????

Deixar Comentário

Digite as letras e/ou números que você vê na imagem abaixo:

Leia | Política de Comentários.

Versão Móvel | Contato | Anuncie

Primeiro site de notícias de Jaú.
Jornalista responsável: José Henrique Teixeira MTb 20.061
Jaunews © 1999 - 2017. Todos os direitos reservados