segunda, 26 de junho de 2017
Início » Política » Abono é aprovado

Abono é aprovado

O fato de não ter sido dada aos servidores a reposição da inflação do período, de 6,7% e também o abono não ter sido incorporado aos salários, deu margem a muitas manifestações dos oposicionistas. Mas, apesar disso, os vereadores votaram a favor do projeto.

Gravatar
30/04/2013 às 05h35
Vereadores durante suspensão dos trabalhos na sessão desta segunda-feira

Vereadores durante suspensão dos trabalhos na sessão desta segunda-feira

Com 15 votos favoráveis e uma ausência do plenário (do vereador Tito Coló Neto, do PSDB) a Câmara aprovou ontem o projeto do prefeito Rafael Agostini que concede abono de R$ 70,00 e  aumento de R$ 50,00 no tíquete de compra aos servidores municípios retroativos a 1º de março. Na quinta-feira passada, em assembleia de seu sindicato, os funcionários haviam aprovado a contraproposta da Prefeitura. Só que na ocasião foi dito que o abono seria incorporado aos salários e o projeto que foi aprovado ontem não prevê essa incorporação.

O fato de não ter sido dada aos servidores a reposição da inflação do período, de 6,7% e também o abono não ter sido incorporado aos salários, deu margem a muitas manifestações dos oposicionistas. Mas, apesar disso, os vereadores votaram a favor do projeto, exceção a Coló que se ausentou. O argumento de Fernando Frederico de Almeida Junior (PMDB) foi o que os convenceu: “Ou aprovamos o que está sendo oferecido, ou os funcionários ficam sem nada”.

“Na assembleia no Balneário foi falado que os R$ 70,00 seriam incorporados ao salário. Hoje vem projeto aqui que não incorpora. Eu não concordo com esse tipo de aumento, teria que ser um percentual. E o prefeito que não fique falando que os professores tiveram 30% de aumento no ano passado porque não é verdade”, disse o vereador Carlos Lampião Magon (PV).

“Realmente isso é bom para o funcionalismo? Por que não se repassa os 6,7% da inflação? Com o abono, o funcionário vai perder no 13º salário, nas férias e na aposentadoria. Cadê os funcionários aqui na Câmara? Cadê os que não concordam com esse aumento?”, questionou o vereador Tito Coló.  Ao perguntar para o vereador Gilberto Vicente (PP), que preside o Sindicato dos Metalúrgicos quanto os trabalhadores da categoria tiveram de aumento e ouvir que foi 8%, Coló ficou ainda mais exaltado. “Esta Casa votou R$ 19 mil para o prefeito e R$ 11 mil para o vice-prefeito. Vamos encaminhar isso ao Ministério Público e  ver se não é necessário pelo menos repor a inflação”, disse.

Fernando Frederico observou que embora nem sempre concordasse, votou a favor dos quatro reajustes dados pela administração passada aos servidores. Observou que se não fosse aprovado o projeto do prefeito os funcionários não teriam reajuste algum. “É claro que Frederico votou a favor dos quatro reajustes dados pelo governo passado. Foram todos acima da inflação”, reagiu o vereador Ronaldo Formigão (DEM).

O vereador José Aparecido Segura Ruiz (PTB) foi mais pragmático:  “Vou votar a favor do projeto do prefeito porque o sindicato concordou com o que aí está. Só espero que nos próximos reajustes não tenhamos mais que usar a expressão ‘é isso ou nada’ e que seja dado um aumento real aos servidores”.

Colocado o projeto em votação, os vereadores Ronaldo Formigão e Carlos Lampião, que iriam votar contra, mudaram seu posicionamento e foram favoráveis, por conta da manifestação de Frederico de que ou é isso ou nada. Tito Coló ausentou-se do plenário.

 

Nenhum comentário(Deixe o seu)

Deixar Comentário

Digite as letras e/ou números que você vê na imagem abaixo:

Leia | Política de Comentários.

Versão Móvel | Contato | Anuncie

Primeiro site de notícias de Jaú.
Jornalista responsável: José Henrique Teixeira MTb 20.061
Jaunews © 1999 - 2017. Todos os direitos reservados