domingo, 20 de agosto de 2017
Início » Política » Reabertura do PS Municipal gera polêmica na Câmara

Reabertura do PS Municipal gera polêmica na Câmara

Gravatar
19/02/2013 às 08h06
Vereador Tito Coló na tribuna

Vereador Tito Coló na tribuna

 

A Santa Casa de Jaú mais uma vez foi o tema dominante na sessão da Câmara de Jaú. Ontem, por mais de hora os vereadores discutiram um requerimento do vereador Tito Coló Neto (PSDB) que pede informações sobre o atendimento no hospital. No final da semana passada, após audiência no Fórum local, entre Prefeitura e Santa Casa, foi estabelecido que o município irá reabrir o Pronto Socorro Municipal e que a partir de 1º de julho deste ano o hospital só atenderá os casos de média e de alta complexidade mediante convênio com o Estado e não mais com a Prefeitura.
 
Tito Coló questiona em seu requerimento as cirurgias eletivas especialmente, que deixaram de ser realizadas após o fim do convênio no governo passado. Quer saber sobre os números do atendimento atual, quais procedimentos são encaminhados para Bauru, quais as cidades que fazem repasse de verba para o hospital, dentre outros temas.
 
O vereador tucano manifestou-se favorável à reabertura do Pronto Socorro Municipal. “Torço para que o prefeito acerte com a volta do pronto socorro”, destacou. O líder do PMDB, vereador Fernando Frederico de Almeida Junior, destacou que a questão da saúde não deve ser política, mas gerencial. “Enquanto tratarmos com algo político não vai funcionar. O pronto socorro municipal vai voltar a terá a retaguarda da Santa Casa. O atendimento vai ser descentralizado com o correto funcionamento da rede básica”, falou.
 
Para o vereador José Aparecido Segura Ruiz (PTB), médico na Santa Casa, o prefeito Rafael Agostini e o secretário de Saúde, Gilson Scatimburgo, “estão muito mal assessorados em questão de saúde e não sabem o que pronto socorro”. Para Segura, aumentando o repasse em R$ 200 mil para a Santa Casa, que vem sendo de R$ 640 mil mensais e o hospital pediu R$ 850,00 por mês, “a Prefeitura iria tirar a bunda da seringa e empurrar para a Santa Casa o atendimento, ficando só com o discurso de que manda o dinheiro”, disse.
 
Ainda, conforme Segura, o prefeito e a população de Jaú “vão passar por extrema dificuldade com a criação de um pronto socorro pelo município. A retaguarda é complicada mesmo na Santa Casa onde trabalham dezenas de médicos 24 horas por dia. Só um pronto-atendimento ali ao lado da Santa Casa, no prédio da praça do parquinho, é que irá funcionar. Se chega no pronto-atendimento e é caso gravem atravessa a rua e está na Santa Casa. Se chega na Santa Casa e não é caso grave, atravessa a rua e está no pronto-atendimento”.
 
O líder do PT na Câmara, vereador Lucas Flores, defendeu que repassar dinheiro para a Santa Casa não resolve. “Isso já foi feito em outras administrações. Nós fomos eleitos para mudar.É preciso fortalecer a rede básica, que está mais próxima das pessoas. Pelos votos do prefeito Rafael Agostini e dos demais candidatos, 83% da população rejeitou o jeito de administrar do governo passado. O fechamento do pronto socorro municipal causou a maior crise na saúde na história de Jaú.O prefeito Agostini resolveu colocar um gestor na saúde porque os médicos que por ali passaram não resolveram”, disse Flores.
 
O vereador Carlos Lampião Magon (PV) estabeleceu uma comparação com as administrações passadas. “No governo anterior, que o prefeito é médico, achei que tinha acertado, mas piorou. E no governo do João (João Sanzovo Neto, do PSDB) estava boa a saúde? É que todos os que estavam na administração dele na saúde agora estão no governo atual. Rafael, acerta a saúde!”, apelou Lampião.
 
O líder do prefeito na Câmara, Charles Sartori (PMDB) tentou colocar na legislatura passada a culpa pelo fechamento do pronto socorro municipal em 2011. “O prefeito fechou e a Câmara não teve força para impedir”. O vereador reeleito Ronaldo Formigão, do DEM, reagiu de pronto: “Vamos parar com ataques pessoais. A Câmara não foi consultada sobre o fechamento do pronto socorrro no São Judas. E quando soubemos, todos os que estavam aqui na legislatura passada foram contrários”, disse. Formigão coloca em dúvida se o prédio do ex-hospital São Judas Tadeu tem condições de voltar a abrigar o pronto socorro municipal. “O prédio tem condições sanitárias? Quanto vai ser gasto para deixa-lo em ordem?”, colocou.
 
Paulo Gambarini (PSDB) mostrou-se temeroso quanto a perda do pronto socorro da Santa Casa. “O momento é delicado. Perder a Santa Casa hoje considero perigoso para a população. É um prazo muito curto para o município assumir tudo”, observou.
 
Toda a discussão foi para que o requerimento do vereador Tito Coló fosse votado e, ao final, foi aprovado por unanimidade.
 

 

4 Comentários(Deixe o seu)

  • Oswald Mosley

    Bom, um Prefeito que dá um cargo de comissão de Diretor a uma pessoa que não pode disputar a eleição por ser "ficha-suja" não podemos esperar muita coisa.

  • Joaquim

    Muita polêmica,mas precisamos ver em outras cidades do porte de Jau
    Logo tenho certeza que ate o final do mandato,se o prefeito bater o pé a saúde em Jau vai ser modelo sem a Santa Casa.
    Torço por isso e já tem prova ,é preciso um trabalho de equipe e acomselho uma força tarefa da Secret de Saude
    esforço

  • JOSÉ CARLOS MARTINS

    SR JOAQUIM....TOMARA QUE A SAÚDE EM JAÚ SEJA MESMO UM MODELO.
    EU AQUI NO MEU HUMILDE CANTO, ESPERO ANSIOSO A INTERNET GRÁTIS, PRA MARCAR CONSULTAS NOS AMBULATÓRIOS MUNICIPAIS, SENTADÃO EM MINHA CADEIRA.OH MARAVILHA...
    POIS FOI ISSO QUE O NOSSO PREFEITO PROMETEU...TÔ ESPERANDO.

    ZÉ CARLOS

  • Carolina Garcia

    BOM, SÓ ACHO QUE DEVEMOS ESPERAR AINDA É CEDO PARA JULGAR O NOVO PREFEITO.

    ABRAÇOS À TODOS

Deixar Comentário

Digite as letras e/ou números que você vê na imagem abaixo:

Leia | Política de Comentários.

Versão Móvel | Contato | Anuncie

Primeiro site de notícias de Jaú.
Jornalista responsável: José Henrique Teixeira MTb 20.061
Jaunews © 1999 - 2017. Todos os direitos reservados