domingo, 24 de setembro de 2017
Início » Política » Servidores não recebem hoje porque a Prefeitura não tem dinheiro

Servidores não recebem hoje porque a Prefeitura não tem dinheiro

Gravatar
08/01/2013 às 05h38

 

Os cerca de 3.100 funcionários municipais de Jaú não irão receber hoje (quinto dia útil do mês) os seus salários referentes ao último mês de dezembro. A Prefeitura não tem dinheiro em caixa para paga-los. O fato foi confirmado ontem à tarde pelo prefeito Rafael Agostini (PT). Ele esteve reunido com a diretoria do Sindicato dos Funcionários Municipais e explicou a situação. “Infelizmente encontramos uma situação muito difícil e nosso quarto dia útil de governo constatamos que não há saldo suficiente para pagar os servidores porque a ex-administração não deixou saldo em caixa para esse pagamento”, disse o prefeito.
 
O sindicato teria concordado com mais alguns dias de prazo para o pagamento, embora não tenha sido possível confirmar diretamente com a presidente, Eliana Contarini, que não atendeu as ligações da reportagemno final da tarde de ontem. A informação era de que estava em outra ligação e depois deixou o sindicato e seu celular passou a dar caixa postal.
 
“Não deixaram dinheiro em caixa para cumprir os restos a pagar de 2012, que não sabemos o montante exato, tanto é que voltaram cheques sem fundos, e também não deixaram saldo para o pagamento dos funcionários”, disse Agostini. Para pagar os servidores a Prefeitura teria que dispor de cerca de R$ 4,5 milhões e tem nem a metade disso em caixa.
 
O prefeito disse que a reunião com os diretores do sindicato teve a participação do secretário de Economia e Finanças, Luiz Vicente Federice. “Nos estamos trabalhando para encontrar uma solução para esse problema o mais rápido possível. Mas não dá para fazer mágica.Não tem dinheiro na conta e,então, não dá para fazer o pagamento amanhã (hoje)”, disse Agostini.
 
Conforme o prefeito, não é possível fazer transferência de dinheiro de conta vinculada para cobrir rombo em outra área. “Não é possível pegar dinheiro do Fundeb para pagar salários de funcionários que não sejam do magistério. Não pode. Isso é crime. Vai para a cadeia o secretário que convalida uma ação com essa”, explicou Agostini.
 
Quando anunciou cheques sem fundos dados pela Prefeitura no último dia da administração passada para pagar empresas prestadoras de serviços, voltando um cheque de R$ 530 mil e outro de R$ 192 mil sem fundos, Agostini disse que a administração passada tentou com que a atual administração convalidasse uma situação irregular. “Tinha dinheiro na conta da Caixa mas não tinha na conta do Banco do Brasil e os cheques voltaram. Só     que o dinheiro da Caixa era de conta vinculada. Por que, então, não tiveram a coragem de colocar a assinatura em cheques da Caixa? Porque não podiam. E queriam que a gente convalidasse esse crime”, explicou Rafael Agostini.
 
Memória do caso
Na sexta-feira passada, dia 4, o prefeito Agostini convocou entrevista coletiva e demonstrou a situação financeira da Prefeitura. .“Estamos diante da maior crise financeira da história do município. É que os senhores não sabem ainda o que está por vir. Preparem-se, dias piores virão”, alertou o prefeito.
 
Agostini distribuiu aos jornalistas cópias xerográficas de dois cheques devolvidos pelo Banco do Brasil e que haviam sido emitidos pela administração do prefeito Osvaldo Franceschi Junior(PV) em 31 de dezembro de 2012. Um cheque, no valor de R$ 530.740,14 foi dado para pagamento à empreiteira Andrade Galvão Engenharia Ltda. O outro, no valor de R$ 192.131,37 foi dado à empresa Inovatt Comercial Ltda..
 
Para o ex-secretário de Economia e Finanças Eduardo Franceschi, os cheques pagos a fornecedores da Prefeitura voltaram porque a atual administração não permitiu a transferência de recursos da conta da Caixa Federal, onde a Prefeitura tinha saldo suficiente, para a agência do Banco do Brasil. O ex-secretário disse que a Prefeitura “é proibida de dar cheque sem fundos” e que não teria emitido os pagamentos se não houvesse saldo para o pagamento”.
 

 

5 Comentários(Deixe o seu)

  • Afonso

    Evidente que se tratava de uma "armadilha", uma bomba relógio armada para explodir no colo da nova administração, uma vez que até as pedras do calçamento (bem precário, aliás) sabiam que não haveria expediente bancário no dia 31/12/2012, sobrando para o atual secretário das Finanças validar uma "irregularidade" (ainda mais se se confirmar que os recursos são provenientes do FUNDEB)- o cheiro que daí exala não é nada bom...

  • Eva Gomes de Oliveira

    Que o rigor da Lei seja aplicado, urgentemente, aos que deixaram toda essa lambança.

  • Josep Cadura

    Se tem dinheiro do Fundeb, pague os profissionais da Educação. Nada mais justo. Por que deixar o dinheiro na conta e não pagar os Professores e demais profissionais?
    Acredito que a maior parte dos funcionários da prefeitura são da Secretaria da Educação.

  • João

    Final do ano foi passado os professores com recurso próprio, pq só vocês querem receber, o recurso do fundeb, não dá pq vocês tiveram aumento de 34% somado os dois anos, diminuição de carga horária, ou vocês se esqueceram alem de 45 dias de ferias anuais, ou se esqueceram????

  • Larissa

    Senhor João, se informe melhor... 45 dias de férias?! Creio que não. Somente os alunos tiveram isso, os professores foram convocados bem antes. E temos um estatuto próprio, o erro das prefeituras é continuar nos vinculando aos outros funcionários, o que gera conflitos, pois alguns não entendem que nosso salário vem dos recursos do fundeb (governo federal) e não da prefeitura.

Deixar Comentário

Digite as letras e/ou números que você vê na imagem abaixo:

Leia | Política de Comentários.

Versão Móvel | Contato | Anuncie

Primeiro site de notícias de Jaú.
Jornalista responsável: José Henrique Teixeira MTb 20.061
Jaunews © 1999 - 2017. Todos os direitos reservados