segunda, 30 de março de 2020
Início » Opinião » Revoguem-se as disposições em contrário

Revoguem-se as disposições em contrário

Gravatar
09/06/2011 às 10h31
J.H. Teixeira

José Henrique Teixeira

O filósofo, advogado e político romano Cícero, que morreu no ano 43 A.C., já dizia que o maior estímulo para cometer as falhas é a impunidade. Vejam bem: 43 anos antes de Cristo! E isso perdura até hoje e cada vez mais no Brasil. O governo do PT libera um criminoso condenado na Itália e um ministro que tem uma ficha de antecedentes na Prefeitura de Ribeirão Preto, no ministério do governo anterior e volta a aprontar no atual governo, deixa o cargo sob elogios da presidente e aplausos dos seus pares. Não é o teatro do absurdo!

É uma completa inversão de valores. E vai falar isso para os petistas de carteirinha. Além de não aceitarem, começam a citar supostos defeitos nos governos dos outros. Eles são assim mesmo. O Brasil assistiu a oito anos de um governo campeão em falcatruas e escândalos. Teve mensalão, teve dólar na cueca, caso Celso Daniel, caso Toninho do PT, escândalo dos gastos públicos dos ministros, escândalos dos Bingos, Operação Anaconda, escândalo dos vampiros, escândalo dos cartões de crédito corporativos da Presidência, escândalo dos Correios, escândalo da Brasil-Telecom, escândalo do Banco de Santos, escândalo Daniel Dantas, escândalo dos dólares de Cuba, escândalo de corrupção de ministros, escândalo de grampos no TSE, CPI das ONGs, escândalo do Senado, Operação Xeque-Mate, escândalo do dossiê (para incriminar José Serra), escândalo da quebra do sigilo do caseiro Francenildo... Bem, vou parar por aqui, mas tem muito mais.

E esse pessoal se considera o arauto da moralidade no tratamento da coisa pública.

E continua acontecendo. Agora, descobre-se que em curto espaço de tempo, tendo como sempre teve, influência no governo e do governo, um ministro quadruplica o seu patrimônio. Como não encontram explicação plausível, o melhor é o ministro sair de fininho, como fez na outra vez, no caso da conta do caseiro. Lembram-se?

O que é pior de tudo é que não deixam, de forma nenhuma, a oposição apurar o que realmente aconteceu, negando sob todas as formas que o ex-ministro possa ser ouvido, como também fazem homenagens a ele na sua saída. O tributo ao descalabro.

Num país sério, como no oriente, por exemplo, um ministro tendo que sair nessa situação ficaria tão envergonhado que cometeria um ato extremo. Em outros países, seria sumariamente demitido, passaria por um processo e poderia ser preso ao final. Aqui, o ministro é homenageado em discursos e recebe aplausos. Só nesse governo mesmo...

Fosse o PT ainda oposição e fatos como esse acontecessem em outro governo, no mínimo, estariam saindo às ruas e pedindo o impeachment do governante. Mas com eles não pode. Eles são o supra sumo da dignidade, da moralidade. Aliás, foram eles que inventaram esses qualificativos. Antes deles não existiu moralidade, nem dignidade, nem seriedade no trato com a coisa pública.

Aliás, estou para dizer que antes deles nem mesmo o Brasil existia. Isso que se aprende nos livros de História de que Pedro Alvares Cabral chegou aqui em 1.500 com as caravelas e o escriba avisou ao rei de Portugal que aqui em se plantando tudo dava, é tudo mentira. O Brasil, de fato, foi descoberto em 1º de janeiro de 2003, com leis próprias, que passaram a vigorar a partir daquele dia. E revoguem-se a disposições em contrário!
 

Nenhum comentário(Deixe o seu)

Deixar Comentário

Digite as letras e/ou números que você vê na imagem abaixo:

Leia | Política de Comentários.

Versão Móvel | Contato | Anuncie

Primeiro site de notícias de Jaú.
Jornalista responsável: José Henrique Teixeira MTb 20.061
Jaunews © 1999 - 2020. Todos os direitos reservados