sexta, 21 de fevereiro de 2020
Início » Geral » Em 14 dias choveu o triplo de novembro de 2010 em Jaú

Em 14 dias choveu o triplo de novembro de 2010 em Jaú

Gravatar
15/11/2011 às 09h42
J.H. Teixeira
Água passa sobre a ponte do córrego dos Pires

Água passa sobre a ponte do córrego dos Pires

 

As chuvas que têm caído em Jaú desde o final da semana passada já causaram inúmeros problemas na cidade. Até mesmo suspensão de atividades em creche. O pluviômetro da Associcana (Associação dos Plantadores de Cana da Região de Jaú mediu 231 milímetros de precipitação desde a sexta-feira até às 18h desta segunda-feira (14). A tromba d´água, acompanhada de vento no final da tarde e início da noite de sábado atingiu 78 milímetros.
 
Comparando os primeiros 14 dias deste mês, contando o dia de ontem até às 18h, o volume de 231 milímetros de chuva é superior a toda a chuva de março deste ano (225 milímetros) e chega perto das precipitações de fevereiro (270) e outubro último (261). A chuva das duas semanas deste mês é maior do que a média de novembro dos últimos 10 anos, que ficou em 179 milimetros. Em novembro do ano passado foram registrados 83 milimetros. Agora, em 14 dias deste ano já choveu praticamente o triplo.
 
O coordenador da Defesa Civil, Valdir Baltazar, disse que as chuvas de sábado para domingo causaram sete pontos de alagamento em Jaú. O principal deles foi na avenida Francisco Canhos, no bairro de Santo Antonio. O canalização do córrego da Figueira não suportou o volume de água e a avenida se transformou num rio, invadindo as casas. Na manhã de domingo o prefeito Osvaldo Franceschi Junior esteve neste e em outros locais atingidos pelas chuvas. O Tiro de Guerra colocou 30 recrutas para ajudar a Secretaria de Serviços Municipais na limpeza da avenida e apoio aos moradores.
 
“Também tivemos destelhamento em escola, como na Caetano Perlatti e na creche Hilarinho Sanzovo. Da ferrovia desceu a enxurrada e invadiu casas na rua Primo Gazzoli, no Maria Luiza IV. Na avenida Brasil teve invasão de casas nos fundos. Nas margens do córrego da Figueira aconteceram vários problemas. Não tivemos pessoas desabrigadas”, disse Baltazar.
 
Além da Defesa Civil, da Secretaria de Serviços Municipais e dos atiradores do Tiro de Guerra, também o Corpo de Bombeiros teve bastante trabalho nos atendimentos aos problemas causados pela chuva. Ocorreram várias quedas de árvores, inclusive uma na avenida Frederico Ozanan com a avenida das Nações que derrubou um poste, provocou curto-circuíto e deixou a região sem energia elétrica. Nos altos da Rui Barbosa também teve falta de energia no sábado por cerca de duas horas e meia.
 
O presidente da creche Lar Escola Hilarinho Sanzovo, Jorge Henrique Letaif Atalla, distribuiu comunicado nesta segunda-feira informando que a creche ficará fechada até o dia 20. “Devido as fortes chuvas e ventos ocorridos no dia 12 houve danificações no prédio e parte elétrica. Devido as dificuldades encontradas para reparar os danos causados, a creche permanecerá fechada até o dia 20, reabrindo no dia 21 de novembro”, diz a nota.

 

Nenhum comentário(Deixe o seu)

Deixar Comentário

Digite as letras e/ou números que você vê na imagem abaixo:

Leia | Política de Comentários.

Versão Móvel | Contato | Anuncie

Primeiro site de notícias de Jaú.
Jornalista responsável: José Henrique Teixeira MTb 20.061
Jaunews © 1999 - 2020. Todos os direitos reservados