quarta, 26 de junho de 2019
Início » Geral » Preso, jovem confessa tiro contra fisioterapeuta na vicinal

Preso, jovem confessa tiro contra fisioterapeuta na vicinal

Gravatar
18/05/2012 às 05h40

Galeria de Fotos

J.H. Teixeira

 

Em pouco mais de 24 horas após da tentativa de latrocínio, que vitimou o fisioterapeuta Vitor Dias Neto, 27 anos, a polícia prendeu o réu confesso Hiago Mazinador Gonçalves, 19 anos, morador no Jardim São José, que contou em detalhes sobre como e porque atirou na testa da vítima, na madrugada de anteontem, na estrada vicinal José Maria Verdini.
 
Tudo começou por volta das 6h30 da quarta-feira quando um casal que passava de carro pela vicinal viu algo se mexendo no acostamento e parou. Havia ali um jovem ferido que em princípio acreditava-se ter sido vítima de atropelamento. Levado à Santa Casa, constatou-se que o jovem tinha levado um tiro na testa e ele foi identificado como o fisioterapeuta que tem sua clínica na rua Rui Barbosa. Vitor Dias Neto permanece internado na UTI e seu estado é grave.
 
O autor do crime foi entregue à Polícia pela própria mãe. Sabendo da ligação dele com a vítima e após ouvir e ler sobre o fato, ela começou a questionar o filho e Hiago confessou tudo. A mãe ligou para o 190 da Polícia Militar e o rapaz foi preso na sua casa. Levado à DIG (Delegacia de Investigações Gerais), ele foi indiciado pelo delegado Gustavo Alonso Garmes e teve a sua prisão preventiva pedida à Justiça. Com a concessão do pedido, foi levado à cadeia pública de Barra Bonita.
 
Mesmo que a mãe não tivesse ligado para a Polícia, Hiago Mazinador seria preso em poucas horas porque os policiais da DIG já estavam na sua pista. “Nós já tínhamos o seu nome estávamos no seu encalço. Isso porque o caminhoneiro que deu carona a ele de perto de Boa Esperança do Sul até Jaú conseguiu obter o seu nome e disse na Base da Polícia Rodoviária que havia dado carona a um indivíduo suspeito.Mas ao mesmo tempo, a mãe resolver entrega-lo”, disse o delegado da DIG.
 
Conforme confessou, depois de atirar em Vitor Dias Neto dentro da camionete da vítima, na vicinal, Iago o arrastou para fora do veículo e deixou-o no acostamento, acreditando que estava morto. Foi embora com a camionete de Vitor, uma S10, cor preta, cabine dupla, placas DWI 4543.Jogou o revólver calibre 38 e o celular da vítima no rio Jaú. Na quarta-feira e ontem foi para Araraquara e Ribeirão Preto tentar vender a camionete num desmanche. Não conseguiu e ontem pela manhã, quando voltava a Jaú, capotou o veiculo na rodovia Jaú-Araraquara, próximo do acesso a Trabiju. Aí pediu carona para um caminhoneiro que vinha logo atrás e viu o acidente e com ele veio até o trevo do Jardim São José.
 
O caminhoneiro estranhou o comportamento do rapaz, considerado atípico para quem capota um veículo e quer fugir imediatamente do local em vez de chamar a Polícia para fazer a ocorrência e se documentar para efeito do seguro. No caminho até Jaú o caminhoneiro puxou conversa com Hiago Mazinador, de quem conseguiu saber o nome. Depois de deixa-lo no trevo do São José, o motorista passou pela Base da Polícia Rodoviária e relatou o fato.
 
Tudo isso serviu para alimentar as investigações da Polícia sobre o crime e era questão de horas a prisão do autor. A mãe de Iago acabou antecipando o trabalho policial.
 
A vítima Vitor Dias Neto é bastante conhecida em Jaú.Na rede social tem mais de 800 amigos no Facebook. Desde a quarta-feira pela manhã eles estão postando mensagens de apoio ao amigo e desejando a sua recuperação.
 
Autor diz que motivação do crime foi dívida de drogas
 
Após ser preso no início da tarde de ontem, Hiago Mazinador Gonçalves contou com frieza e em detalhes porque atirou contra o amigo Vitor Dias Neto na madrugada de quarta-feira. Calçadista, atualmente desempregado, confessou que trafica drogas e que conhecia a vítima há seis anos e os dois se comunicavam através do Facebook.
 
O delegado da DIG, Gustavo Alonso Garmes,prefere ficar com um pé atrás nessa questão, mas Hiago diz que ele e Vitor tinham em comum as drogas. “Ele me procurou porque consumia drogas e era eu quem fornecia”, disse Iago Mazinador. O delegado Garmes diz que nada prova que a vítima consumia drogas e que o réu confesso não tem nenhuma passagem pela Polícia por causa das drogas.
 
Hiago  sustenta que vendia drogas para Vitor e este lhe devia R$ 2 mil. “Comecei a cobra-lo e ele não pagava. Uma vez combinamos um encontro para o pagamento e ele não apareceu. Na outra, apareceu mas não trouxe o dinheiro. Na terça-feira (15) marcamos pelo Facebook e ele ficou de passar na minha casa por volta das 23h30.Passou um pouco depois e fomos, na camionete dele, pela estrada vicinal. Antes da Venda Seca pedi que ele parasse e encostei o revólver na cabeça dele cobrando a dívida. Quando ele virou falando que não tinha o dinheiro, eu atirei”, conta Hiago.
 
Depois de atirar contra Iago, atingindo-o na testa, Iago arrastou-o até o acostamento da vicinal, deixando-o na canaleta de escoamento de águas pluviais. “Peguei a camionete, joguei a arma e o celular no rio e fui para casa, acreditando que Vitor estava morto. Na quarta-feira sai pela manhã vender a camionete. Fui para Araraquara e de lá para Ribeirão Preto. Não consegui vender o veículo. Quando voltava, fui fazer uma ultrapassagem e capotei. Aí o caminhoneiro me deu carona até a entrada do Jardim São José”, relata. Hiago tinha em seu poder os documentos do veículo e os pessoais de Vitor para tentar vendei o veículo.
 
Em sua casa, Iago conta que sua mãe começou a desconfiar dele, porque além de tomar conhecimento do que acontecera a Vitor pelo noticiário, encontrou manchas de sangue na camisa que o filho tirou quando chegou em casa na madrugada de quarta-feira. “Ela desconfiou e me questionou e contei a verdade. Aí ela chamou a polícia”, completa Hiago Mazinador, que diz não estar arrependido do que fez.
 

 

3 Comentários(Deixe o seu)

  • Cibele

    Desejo melhoras para o Vitor, mais acredito que pra toda ação tem uma reação. O Hiago não iria atirar no Vitor sem motivos, mesmo sendo uma ação agressiva. Quanto a duvida sobre as drogas e outras coisas mais, procurem analisar melhor os fatos e provar com exames laboratoriais sobre o envolvimento dele com drogas, é com um simples exame de sangue! Com certeza por alguma razão causada pelo Vitor foi feito esse disparo!

  • SILVANA A. ROSSI

    NÃO ACREDITO QUE O VITINHO QUANTO EM RELAÇÃO A DROGA.
    CONHEÇO ELE A MUITO TEMPO. O PAI A MÃE, ESTE MENINO FOI MUNTO BEM EDUCADO.
    SEMPRE RESPOSAVEL.
    ONDE EU ENCONTRACE COM ELE, ELE VINHA ME DIZER DE CURSO QUE FEZ, OU QUE IRIA VAZER.
    VITOR UM MENINO DE FAMILIA PAI, MÃE E ELE SEMPRE HUMILDES E UNIDOS.
    ACHO QUE TEM COISAS, COMO INVEJA, DO TRABALHO, DO CARRO DA SUA POSTURA COMO SER HUMANO.
    SEU VITOR, CATARINA E VC MESMO VITINHO ESTOU REZANDO DESDA, HORA QUE EU SOUBE DO OCORRIDO.
    SENHOR MEU "DEUS" CUIDE DESTA FAMILIA!!!
    ESTAREI AQUI REZANDO POR VOCEIS.

  • J.H. Teixeira

    SRS. INTERNAUTAS...
    Como moderador das postagens feitas em Jaunews não posso aceitar alguns comentários em que vocês fazem acusações pesadas contra um ou outro envolvido nesse triste episódio. Portanto, se o seu comentário não foi incluído aqui, foi por esse motivo. Se os senhores tem provas do que dizem, levem-nas à Polícia para ajudar a elucidar o caso.

Deixar Comentário

Digite as letras e/ou números que você vê na imagem abaixo:

Leia | Política de Comentários.

Versão Móvel | Contato | Anuncie

Primeiro site de notícias de Jaú.
Jornalista responsável: José Henrique Teixeira MTb 20.061
Jaunews © 1999 - 2019. Todos os direitos reservados